Untitled-1
Dakar Series 2016.1

 

 

10465254_711756002267919_4179653338803756417_o

 

Desta vez o Dakar Series deslocou-se ao norte de Portugal naquela que se revelou uma jornada épica para todos os participantes. Com as condições climatéricas adversas trouxeram ao de cima o melhor de cada piloto e certamente nenhum deles se esquecerá desta aventura.

 

Depois do sucesso do Nosso Dakar em Janeiro, por terras algarvias, o Dakar Series é o complemento ideal para todos os amantes das big trails que gostam de levar as suas motos por “maus caminhos”. Este ano a escolha da organização foi para uma zona do país que ainda não tinha sido visitada pelo evento e que é de uma beleza natural deslumbrante, as regiões do Minho e Douro Litoral. A base do evento foi montada em Guimarães, cidade berço, com o formato tradicional desta organização agora a cargo da Longitude 009, em que os participantes ficam todos reunidos no mesmo hotel para dessa forma se potenciar o espírito de grupo e de festa, tal como no verdadeiro Dakar em que há apenas um bivouac para todos os pilotos ficarem a dormir.

 

10465254_711756002267919_4179653338803756417_o

 

Etapa BMW
O primeiro dia começou com a viagem para Vila Nova de Cerveira, o início da primeira etapa com o patrocínio da BMW Motorrad. Os participantes foram recebidos no castelo da Vila, onde estava montada a recepção das inscrições e onde foi servido o almoço, numa sala envidraçada com uma fantástica vista sobre o Rio Minho e a zona baixa. Depois de devidamente apresentado o evento e de a organização ter feito o briefing, foi altura de deixar o parque fechado que a autarquia nos tinha reservado e começar a verdadeira aventura. Curiosamente foi mais ou menos por esta altura que a chuva começou a dar um ar da sua graça. À espera de todos estava um percurso fantástico que levaria a caravana a ver Cerveira bem cá de cima dos montes que a rodeiam a sudeste e fazem parte da lindíssima Serra D’Arga, a passar perto de Viana do Castelo e a terminar o dia já muito perto de Ponte de Lima. Para a organização os desafios começaram cedo com a anulação de um pequeno troço junto a um rio que galgou a margem e tornou a passagem muito escorregadia e potencialmente perigosa, mas a maioria dos participantes foi reconduzida no percurso e mesmo os pilotos que decidiram arriscar, passaram o obstáculo sem problemas. A dificuldade maior acabou por ser a chuva que a determinada altura perdeu a vergonha e teimou em cair sem pausas, causando maiores dificuldades no percurso para as motos que tinham pneus em pior condição. Com maior ou menor dificuldade o grupo acabou por conseguir regressar a Guimarães e no jantar à noite as conversas versavam sobre o dia de condução e sobre as peripécias que todos tinham vivido.

 

Etapa Touratech
Para o segundo dia as previsões não poupavam os pilotos. Estava prevista muita chuva e frio e confirmaram-se os piores receios. Alguns dos mais castigados no dia anterior optaram prudentemente por não partir mas uma larga maioria de corajosos fez por sair de Guimarães para norte em direcção a Fafe para fazer alguns dos mais bonitos troços do Rali de Portugal, entre eles o famoso salto de Fafe, imagem icónica de um dos melhores ralis do mundo. O percurso desta etapa era espectacular com a direcção sul a terminar na bonita cidade de Amarante, com passagem na Serra do Marão, onde fomos surpreendidos com neve a cair no ponto mais alto, corolário de um fim de semana difícil onde todos os que participaram aprenderam e descobriram mais algumas capacidades humanas e também das suas máquinas na superação das dificuldades do terreno, do clima e da vontade de perseguir objectivos. Sem querer o Dakar Series acabou por ser uma parábola das nossas vidas, mesmo quando as condições são adversas, se quisermos realmente e nos dedicarmos, conseguimos cumprir o que nos propomos e quando isso acontece a grande recompensa é o sentimento de realização épica que nos faz sentir capazes de vencer o mundo. Tendo em conta o grau de dificuldade do piso, da visibilidade, da temperatura, da chuva constante e até da neve, nenhum dos bravos que chegou ao Café São Gonçalo no centro de Amarante para o almoço final, se sentia indiferente e dúvida que este evento ficará por muito tempo no centro das conversas sobre as melhores experiências que todos vivemos. Parabéns à organização, foi muito difícil, mas todos esperamos já pelo próximo Dakar Series.